2/01/2011

Para Ter Onde Ir / Max Martins



 
...

 
MAX MARTINS
(Belém/PA – 1926/ 2009)



SALTIMBANCO

O não mais espumoso vinho dos abismos
O cauterizado testemunho de um instante de beleza:
O ritmo do oceano
O palco
e a metade da cama para o falso poema
                                                      O saltimbanco

                                                      Ou o sangramento
da perda de um deus a cada assalto
                                                      O cadafalso
O semidestroçado frêmito de um destino cego de antemão
O não mais aceito rito do ofício        O ofício:
esta rasura do corpo sendo esquecido
                                                      O esquecimento
O desabitado segredo das palavras
De Marahu Poemas (1991)


- - -  _




O CALDEIRÃO

Aos sessenta anos-sonhos de tua vida (portas
que se abrem e fecham
fecham e abrem
carcomidas)
                   Ferve

a gordura e as unhas das palavras
seu licor umbroso, teus remorsos-pêlos
   Ferve
e entorna o caldo, quebra o caldeirão
   e enterra
teu faisão de jade do futuro
teu mavioso osso do passado

Agora que a madeira e o fogo de novo se combinam
e o inimigo n. 1 já não te enxerga
                                   ou vai embora
varre tua esperança tíbia
                                 o tigre da Coréia da parede

É lícito tomar agora a concubina
E despentear na cama a lua escura, o ideograma 
                                    


| | | / 

A fera Das cavernas do sono das palavras, dentre
os lábios confortáveis de um poema lido
e já sabido
voltas
para ela - para a terra
maleável e amante. Dela
de novo te aproximas
e de novo a enlaças firme sobre o lago
do diálogo, moldas
                              novo destino
Firme penetra e cresce a aproximação conjunta
E ocupa um centro: A morte, a fera
da vida
te lambendo


De Para Ter Onde Ir (1992)


( ( ( )



A CabanaÉ preciso dizer-lhe que tua casa é segura
Que há força interior nas vigas do telhado
E que atravessarás o pântano penetrante e etéreo
E que tens uma esteira
                        E que tua casa não é lugar de ficar
mas de ter de onde se ir

   
De Para Ter Onde Ir (1992)


OBRAS DE MAX MARTINS

O Estranho (1952)
Anti-Retrato (1960)
H'Era (1971)
O Ovo Filosófico (1976)
O Risco Subscrito (1980)
A Fala entre Parêntesis (1982)
Caminho de Marahu (1983)
60/35 (1985)
Poema-cartaz Casa da Linguagem (1991)
Poemas - folder com desenho, colagem (1991)
Marahu Poemas (1985)
Não para Consolar - poesia completa (1992)
Para ter Onde Ir (1992)

Nenhum comentário:

Postar um comentário